MARA KUYA! Pela tradução tupi, o maracujá

Fruto que se come na cuia, pela tradução tupi, o maracujá fruta tão popular entre nós.

Pertencente as plantas do gênero Passiflora, mais especificamente da família Passiflorácea ocorre nas zonas tropicais e subtropicais da América.

Sua árvore também recebe o nome de maracujazeiro e se desenvolve como uma trepadeira e seus frutos na sua versão mais popular são amarelos quando maduros.

No mundo são encontrados até o momento, 24 subgêneros e 465 espécies, das quais entre 150 e 200 ocorrem no Brasil.

Muito conhecido por ser uma planta com propriedades calmantes, o maracujá, vai muito além com seus benefícios a nossa saúde.

Sua casca possui uma substancia chamada pectina, eficiente no combate ao colesterol, gordura e excesso de açúcar no organismo. Porém, na fruta ainda são encontradas as vitaminas A C e do complexo B, além de sais minerais como: ferro, sódio, cálcio e fósforo.

Dona de uma belíssima flor, popularmente chamada de a Flor da Paixão, o que se deve ao fato de, segundo a crença popular nela estar representada a paixão de Cristo, pela semelhança com a coroa de espinhos, os pregos e as 5 chagas de Cristo crucificado.

O maracujá é polinizado por uma única espécie de abelha, conhecida por mamangaba, que se destaca por seu tamanho e robustez do corpo e mede em média 3 cm, o que também lhe rende ser chamado de abelhão.

Para um bom suco recomenda-se a fruta mais nova consistente e pesada.

Já para outros fins, como uma torta ou mouse o fruto bem amadurecido, ou seja, quando a casca já se encontra toda enrugada é o recomendado. Vale lembrar que para a criatividade não há limites. Ou seja, como toda fruta tropical o maracujá já é muito utilizado na gastronomia atual e em coquetéis alcoólicos ou não. Bem como em várias linhas de cosméticos na forma, de cremes, loções, shampoos etc.

O Brasil é o maior produtor mundial do maracujá amarelo, com uma safra superior a 800 mil toneladas ano e a Bahia é o estado da nação que mais produz superando as 350 mil toneladas ano. Dados do IBGE do ano de 2013.  

 

Texto e Fotos: Jornalista Luciano